A importância do projeto paisagístico - Exkalla
Jardim Botânico de Manaus

A importância do projeto paisagístico

A utilização de elementos da natureza na composição de espaços rompe com a rigidez construtiva e proporciona bem-estar. A importância do verde, porém, não se limita aos aspectos individuais do ser humano, está ligada também ao convívio social e às questões ambientais.

A diversidade de cores, texturas, cheiros e sons existentes na natureza possibilita a criação de experiências variadas. E, para que todos esses aspectos sejam considerados de maneira eficiente, o projeto paisagístico é uma ferramenta essencial. 

“O paisagismo é um dos principais responsáveis pela saúde e qualidade de vida da população urbana. O paisagismo não é só decoração, é muito mais! É uma ferramenta de saúde pública e reequilíbrio ambiental.” (Ricardo Cardim, botânico paisagista da Cardim Arquitetura Paisagística. Fala retirada de live feita pela Perkins&Will.)

A história do paisagismo

Na história da humanidade, a necessidade de modificar ambientes externos utilizando elementos da natureza, seja por motivos estéticos ou para facilitar o cotidiano, surgiu desde o momento em que os seres humanos fixaram suas moradias. A partir daí, no período da Antiguidade, o paisagismo esteve presente nos jardins suspensos da Babilônia – construídos para embelezar a cidade e proporcionar momentos de lazer – e nos jardins romanos que, além de esculturas, possuíam hortas para cultivo de plantas medicinais e de alguns alimentos.

A evolução do conhecimento em botânica moldou a Europa no Renascimento. Cada país desenvolveu características próprias, mas a simetria e as formas geométricas predominaram. O paisagismo no Brasil recebeu influência inicial dos estilos europeus, mas ganhou importância e visibilidade a partir do século XX, com o trabalho de paisagistas como Roberto Burle Marx. A utilização de espécies nativas e formas orgânicas passou a ser valorizada.

Jardim criado por Roberto Burle Marx para a cobertura da sede do Banco Safra, em São Paulo.

Jardim criado por Roberto Burle Marx para a cobertura da sede do Banco Safra, em São Paulo. Fonte: ArchDaily

Aspectos considerados no projeto paisagístico

O projeto paisagístico é utilizado no planejamento dos espaços livres de uma edificação nas mais diversas escalas, o que abrange áreas de circulação, de lazer, de convivência, áreas verdes, como praças e parques, entre outras.

Os benefícios da conexão entre os seres humanos e o mundo natural, bem como a importância da sustentabilidade, enfatizam a necessidade de um projeto paisagístico elaborado por um profissional qualificado. Além de possuir conhecimentos em botânica, o paisagista faz uma análise completa de pontos que influenciam na escolha de cada elemento. Alguns desses pontos são:

  • Relação das pessoas com o entorno e com o espaço construído;
  • Público que vai utilizar o espaço;
  • Frequência da utilização; 
  • Função do espaço;
  • Sustentabilidade ambiental; 
  • Microclima e bioma da região; 
  • Conforto ambiental;
  • Orientação solar.

Para a arquiteta paisagista Martha Gavião, a diversidade de vegetação é importante para um bom projeto. A quantidade de plantas nativas existentes no Brasil possibilita uma infinidade de combinações que tornam os espaços mais interessantes.

O paisagismo e a moradia

Projeto do Residencial Aquitânia, empreendimento da Exkalla, com paisagismo de Fernanda Favero.

Projeto do Residencial Aquitânia, empreendimento da Exkalla, com paisagismo de Fernanda Favero.

Com a diminuição dos espaços públicos de lazer nas grandes cidades, como praças e parques, surgiu uma demanda por áreas que possibilitem o convívio nos ambientes residenciais. Por isso, Martha considera importante que, mesmo em terrenos compactos, as áreas de lazer sejam bem pensadas para que, unidas às áreas verdes, possam contribuir também com as cidades. 

Em seus projetos, a arquiteta paisagista procura combinar cores, diferentes alturas, tamanhos de folhas e flores aos desenhos de piso e de revestimentos. Utiliza temperos, como alecrim e manjericão, próximo de áreas gourmet e espécies frutíferas perto de playgrounds para que haja ainda mais interação entre os moradores.

Croqui do Roriz, empreendimento da Exkalla, com paisagismo de Martha Gavião.

Croqui do Roriz, empreendimento da Exkalla, com paisagismo de Martha Gavião.

No Residencial Santorini, da Exkalla, o paisagismo assinado por Fernanda Favero combina canteiros verdes na composição da fachada, no entorno da piscina e também como anteparo na delimitação e privacidade de ambientes. Outro aspecto interessante é o aproveitamento dos recuos laterais internos para funções que vão além da passagem, fazendo com que as áreas se conectem de forma natural dentro do terreno de 960 m². Da mesma maneira, o Bienvenido Residencial possui detalhes paisagísticos que fazem toda a diferença.

Projeto da área de lazer do Bienvenido Residencial, empreendimento da Exkalla, com paisagismo de Fernanda Favero.

Projeto da área de lazer do Bienvenido Residencial, empreendimento da Exkalla, com paisagismo de Fernanda Favero.

“Fica nítido quando o prédio tem um profissional de arquitetura paisagística. Porque a frente é mais bonita, tem mais árvores.” (Martha Gavião)

Um bom projeto paisagístico potencializa os espaços e tem a capacidade de unir as pessoas e criar muitas memórias. Além disso, proporciona tranquilidade por meio do canto dos pássaros, do som das águas, da sombra das árvores e dos caminhos agradáveis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.